3.4.3 - Acabamento e Reciclagem

Um procedimento, essencial na fabricação dos blocos de espumas flexíveis, é a manutenção de uma área ventilada, onde os blocos quentes recém espumados possam ser estocados até o resfriamento. Esta área deve ser monitorada e equipada contra incêndios. Aproximadamente de 12 a 24 h após a fabricação, quando os blocos já estiverem frios e curados, eles poderão ser cortados (Figura 3.17) no tamanho e formato do produto final.

Nos processos de fabricação de espumas flexíveis em bloco, normalmente as espumas resultantes de perdas do processo são recicladas. Elas podem ser retalhadas e vendidas para enchimento de travesseiros e almofadas; ou misturadas com um adesivo, que normalmente é um prepolímero de poliol poliéter triol e TDI. A seguir são prensadas para a obtenção de blocos de espuma regenerada, que retornam ao processo para serem cortados (Figura 3.17).

1) Área de cura dos blocos;
2) Armazém dos blocos;
3) Faca horizontal;
4) Transportador;
5) Faca de fita de mesa móvel;
6) Máquina perfiladora;
7) Cortador de contorno;
8) Cola e montagem;
9) Retalhador;
10) Enchimento de travesseiros;
11) Prensa de reconstituição.
Figura 3.17 – Fluxograma das etapas de acabamento e reciclagem

 

3.5 - Controle das propriedades das espumas flexíveis